Dramas de Controle


Canalizamos, normalmente, uma quantidade de energia muito pequena, praticamente o essencial para sobrevivermos. Sendo assim, necessitamos de outras fontes para obtenção de energia. Para as nossas atividades cotidianas, canalizamos energia através dos alimentos, da respiração, através dos chakras, dentre outras. Mas uma das mais preocupantes formas de obtermos energia é através de outras pessoas, ou seja, "roubamos" energia de outras pessoas. Quando dois seres interagem, eles literalmente fundem seu campo eletromagnético, juntando as energias, fazendo com que se torne um único padrão vibracional, sendo dessa maneira...Quem vai controlar essa energia?...Se um dos dois consegue dominar o padrão energético, fazendo com que o outro aceite o seu ponto de vista, então esse ser capturou para si a energia de ambos, sentindo assim uma imediata sensação de poder, euforia, segurança etc (podemos observar esse fenômeno quando duas pessoas discutem, o que perde essa discussão se sente inferiorizado, diminuído, isso se deve ao fator energético perdido), quando isso acontece, denominamos de Drama de Controle.


Esse fenômeno foi muito bem exposto no livro "A Profecia Celestina", e explicado mais profundamente em "A Visão Celestina". James Redfield diz que existem quatro tipos principais de Dramas de Controles, sendo eles os seguintes:


O Coitado de Mim: O mais passivo dos controladores, neste drama de controle a pessoa ao invés de brigar diretamente pela energia, procura ganhar a atenção manipulando o sentimento de solidariedade de sua vítima. Podemos perceber que entramos no campo vibracional do "Coitado de Mim" quando somos atraídos imediatamente para um tipo de diálogo que nos tira do nosso centro de equilíbrio. Começamos a nos sentir culpado sem motivo aparente, é como se estivéssemos sendo colocado nesse papel pela a outra pessoa. Toda vez que a pessoa deste drama precisar de energia, inconscientemente vai exerce-lo para obter atenção, e onde a atenção é dirigida, energia é enviada. Quando entramos nesse padrão de vibração, passamos a enxergar as coisas com o ponto de vista da outra pessoa, e quando isso acontece, ela sente a onda de nossa energia acrescentada (conectada) a sua, e assim passa a se sentir mais segura. No mundo do "Coitado de Mim", a única maneira de agir é pedir simpatia através da culpa e de rejeições denunciadas.


O Distante: Saindo um pouco da passividade o próximo Drama de Controle a ser estudado é "O Distante". Percebemos que estamos entrando em um padrão vibracional relativo à esse drama, quando iniciamos uma conversa e de repente percebemos que não estamos conseguindo obter uma resposta direta, ou melhor dizendo, a pessoa se mantém distante, desligada, misteriosa em suas resposta, forçando-nos a gastar tempo (energia) recolhendo informações que normalmente são fornecidas de maneira simples e casual. Ao fazer isso, estamos intensamente concentrados no mundo da pessoa, olhando pelos seus olhos, obtendo assim, o seu ponto de vista, e assim estamos lhe dando a carga de energia que ela busca. Temos de saber discernir entre pessoas que utilizam o Drama de Controle do Distante e pessoas que, em determinadas situações, preferem o anonimato. O Distante utiliza essa ferramenta como manipulação energética que procura atrair a nossa atenção através do distanciamento.


O Interrogador: O Interrogador é um Drama de Controle mais agressivo e que permeia a maioria de toda a sociedade moderna. A estratégia usada é a crítica para adquirir energia dos outros.Diferente dos anteriores, que a estratégia era de obter a energia através da atenção, o Interrogador faz que tenhamos a impressão de estarmos sendo sempre vigiados, faz com que tenhamos a sensação de incapacidade através do questionamento, fazendo com seu padrão vibracional sobreponha o nosso, controlando e obtendo a nossa energia. A método inconsciente utilizado pelo Interrogador, é apontar alguma coisa sobre nós que nos desequilibre, na esperança de nos convencer da sua verdade em relação a crítica para que adotemos a sua visão do mundo, assumindo o seu ponto de vista, e quando isso acontece, fornecemos ao Interrogador um fluxo regular de energia.


O Intimidador: O mais agressivo dos Dramas de Controle. Podemos perceber que entramos no Drama de Controle do Intimidador quando além de nos sentirmos exaustos e cansados, sentimo-nos ameaçados, amedrontados e até em perigo. Pessoas que utilizam esse Drama de Controle servem-se de métodos que geram o medo, deixando bem claro que a qualquer momento podem explodir em raiva ou se descontrolar, podendo até utilizar violência. A estratégia do Intimidador é controlar o nosso padrão vibracional através do medo. Quando alguém nos dá o entendimento de que pode ser violenta, ou crie um ambiente qualquer em que nos sentimos ameaçados nós fazemos questão de observa-la atentamente, e onde a atenção dispensada a energia enviada. Nos sentimos confusos e com medo, começamos a enxergar a situação com a possibilidade de nos machucarmos, começamos a imaginar a situação tornando-se real, ou seja, olhamos o mundo sobre o ponto de vista do Intimidador, ao se fazer isso, damos energia.


COMO LIDAR COM O DRAMA DE CONTROLE?

A resposta do Universo em relação ao Drama de Controle é produzir exatamente o tipo de mundo que a pessoa espera, e desse modo o drama é um círculo vicioso e sempre acaba se justificando. Embora não se dê conta disso, O Drama de Controle está preso numa armadilha sem saída.


O Drama de Controle se baseia num conjunto de teorias inconscientes a respeito do mundo, então, a melhor maneira de se lidar com qualquer tipo de Drama de Controle, é traze-lo para o mundo consciente, fazer com que a pessoa tenha consciência do que está acontecendo, mesmo que indiretamente.


SUPERANDO OS NOSSOS DRAMAS DE CONTROLE

A tendência humana e ignorar ou rejeitar as queixas alheias em relação ao nosso padrão de comportamento para darmos continuidade ao estilo de vida que nos foi escolhido. Dentro da consciência humana, podemos afirmar a enorme dificuldade em enxergar o nosso comportamento de modo mais objetivo, ou, mais direto. Sabendo o que sabemos a respeito das disputas energéticas na sociedade humana, o nosso desafio maior é nos examinarmos atentamente, para que possamos identificar o nosso conjunto particular de teorias e as intenções que constituem o nosso Drama de Controle, e a encontrar outra experiência que nos permita a abertura para a nossa energia interior.


Vampiros de ENERGIA

Todos nós os conhecemos, sabemos como são, como se vestem, como agem e seus propósitos: sugar o sangue de suas vítimas, pois só assim sobrevivem. Esses são os vampiros dos filmes, seres errantes de capa preta e grandes dentes, ávidos por sangue, que andam pelas sombras em busca de suas vítimas.

Mas existe um tipo de vampiro que convivemos diariamente - os vampiros de energia. Eles podem ser nosso irmão, marido ou esposa, empregado, amigo, vizinho, gerente do banco, ou seja, qualquer um do nosso convívio. Eles roubam energia vital, comum no universo, mas que eles não conseguem receber.
Mas, afinal, por que estas pessoas sugam nossa energia?

Bem, em primeiro lugar a maioria dos vampiros de energia atua inconscientemente, sugando a energia sem saber o que estão fazendo. Isso acontece porque elas não conseguem absorver as energias das fontes naturais e ficam desequilibradas energeticamente. Quando essas pessoas bloqueiam o recebimento destas energias naturais (ou vitais), precisam encontrar outras fontes mais próximas, que são as pessoas ao seu redor.


Como identificar e combater essas pessoas?

1. Vampiro cobrador:

Cobra sempre, de tudo e todos. Quando nos encontramos com ele, já vem cobrando o porquê não lhe telefonamos ou visitamos. Se você vestir a carapuça e se sentir culpado, abrirá as portas. O melhor é usar de sua própria arma, cobrando de volta e perguntando por que ele não liga ou aparece. Deixe-o confuso, sem tempo para retrucar e se retire rapidamente.

2. Vampiro crítico:

Crítica tudo e todos, e o pior que é só critica negativamente. Vê a vida somente pelo lado sombrio. A maledicência tende a criar na vítima um estado de alma escuro e pesado, que abrirá seu sistema para que a energia seja sugada. Diga "não" à suas críticas e nunca concorde com ele. A vida não é tão negra assim. O melhor é cair fora e cortar o contato.

3. Vampiro adulador:

O famoso puxa-saco. Adula o ego da vítima, cobrindo-a de elogios falsos, tentando seduzi-la. Muito cuidado para não dar ouvidos ao adulador, pois ele espera que o orgulho da vítima abra as portas da aura para sugar a energia.

4. Vampiro reclamador:

Reclama de tudo e de todos. Opõe-se a tudo, exige, reivindica, protesta sem parar. O mais engraçado é que nem sempre dispõe de argumentos sólidos e válidos para justificar seus protestos. A melhor tática é deixá-lo falando sozinho.

5. Vampiro inquiridor:

Sua língua é uma metralhadora. Dispara perguntas sobre tudo e não dá tempo para que a vítima responda. Na verdade ele não quer respostas, mas sim desestabilizar o equilíbrio mental da vítima, perturbando seu fluxo de pensamentos. Para sair de suas garras, não se ocupe à procura de respostas; Reaja fazendo-lhe uma pergunta bem pessoal, contundente e procure se afastar assim que possível.

6. Vampiro lamentoso:

São os lamentadores profissionais, que anos a fio choram suas desgraças. Para sugar a energia da vítima, ataca pelo lado emocional e afetivo. Chora, lamenta-se e faz de tudo para despertar pena. É sempre o coitado, a vítima. Corte suas lamentações dizendo que não gosta de queixas, pois elas não resolvem situação alguma.

7. Vampiro pegajoso:

Investe contra as portas da sensualidade e sexualidade da vítima. Parece um polvo querendo envolver a pessoa com seus tentáculos. Ele suga a energia seduzindo ou provocando náuseas e repulsa. Nos dois casos você estará desestabilizado e vulnerável. Invente uma desculpa e fuja rapidamente.

8. Vampiro grilo-falante:

A porta de entrada que ele quer arrombar é o seu ouvido. Pode falar durante horas, e enquanto mantém a atenção da vítima ocupada, suga sua energia vital. Para livrar-se invente uma desculpa, levante-se e vá embora.

9. Vampiro hipocondríaco:

Cada dia aparece com uma doença nova. É desse jeito que chama a atenção dos outros, despertando preocupação e cuidados. Enquanto descreve os pormenores de seus males e conta seus infindáveis sofrimentos, rouba a energia do ouvinte, que depois sente-se péssimo.

10. Vampiro encrenqueiro:

Para ele o mundo é um campo de batalha onde as coisas só são resolvidas na base do tapa. Quer que a vítima compre sua briga, provocando nela um estado raivoso, irado e agressivo. Esse é um dos métodos mais eficientes para desestabilizar a vítima e roubar-lhe a energia. Não dê campo para a agressividade, procure manter a calma e corte laços com este vampiro.

 

Copyright © 1980 - 2017 Giovanni Rocha - Todos os Direitos Reservados -

  Site Map